A economia possui centenas de indicadores para acompanhar seu crescimento, movimento e para fazer projeções. Um dos principais indicadores econômicos é o IPCA, porque ele está presente na vida de todos.

Além disso, ele serve para evidenciar o quanto os preços estão subindo e pressionando o bolso dos consumidores.

É provável que você já tenha visto notícias de que a inflação oficial subiu ou que o preço dos alimentos aumentou. Por outro lado, talvez tenha observado um investimento com rentabilidade IPCA + algum percentual.

A inflação é o aumento generalizado de preços e, conforme o custo de vida aumenta, diminui o poder de compra do consumidor.

Se você não tem certeza do que isso significa ou como é calculado, fique tranquilo, porque vamos explicar tudo isso abaixo. Antes de mais nada, o que significa a sigla IPCA?

O que é IPCA?

A sigla IPCA significa Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Na prática, ele é o índice oficial de inflação do governo federal, por isso, ele também é chamado de inflação oficial. Assim, ele serve de referência para a meta de inflação e para alterações na taxa de juros.

O objetivo desse indicador é medir a variação de preços de vários produtos e serviços. Dessa forma, ele revela o quanto os preços aumentaram ou diminuíram de um mês para o outro.

Em outras palavras, o IPCA é como o termômetro. Quando uma pessoa está doente, pode se sentir febril, mas para ter certeza do tamanho da febre, precisa de um termômetro.

Com a inflação acontece o mesmo, certamente podemos sentir que estamos pagando cada vez mais caro por tudo. Mas é o índice de preços que vai dizer o quanto de fato os preços subiram.

Quem faz a medição mensal do IPCA é o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) – e isso acontece desde 1980. Em resumo, são monitorados cerca de 430 mil preços todos os meses.

E a cesta de produtos e serviços monitorados é definida pela POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares).

A inflação oficial tem em seu nome a palavra amplo, porque engloba uma parcela maior da população. Nesse sentido, o IPCA acompanha a variação do custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 e 40 salários mínimos.

Outros índices, além do IPCA

A inflação oficial não é o único índice de preços que temos no Brasil. O IBGE também divulga o INPC, e a FGV (Fundação Getulio Vargas) possui 8 índices de preços diferentes. Confira abaixo os mais importantes.

INPC

Além do IPCA, o IBGE também divulga o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Mas, neste caso, a análise se concentra no custo de vida médio das famílias com renda mensal de 1 a 5 salários mínimos.

IGP-M

Entre os índices da FGV, esse é um dos mais importantes, porque serve para corrigir contratos de de empréstimos e contratos de aluguéis. Justamente por isso, o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) é conhecido como inflação do aluguel.

Esse índice sofre muita influência da variação dos preços no atacado, enquanto o IPCA tem mais influência do varejo.

O IGP-M é composto por outros 3 índices:

  • 60% = IPA (Índice de Preços por Atacado). Acompanha a variações dos preços no atacado em todas as capitais.
  • 30% = IPC (Índice de Preços ao Consumidor). Mede o custo que famílias com renda entre 1 e 33 salários mínimos têm para consumir bens e serviços no mercado varejista.
  • 10% = INCC (Índice Nacional de Custo de Construção). Calcula os preços do mercado imobiliário (materiais de construção e mão de obra). Dessa forma, serve para corrigir contratos de compra e venda de imóveis na planta.

IPCA Acumulado

De volta à inflação oficial, ela é medida mensalmente, conforme dissemos acima. Mas, muitas vezes, o número mais observado é o IPCA acumulado em 12 meses.

Conforme o dado mais recente divulgado pelo IBGE, a inflação oficial subiu 1,01% em fevereiro. Essa foi a maior variação para o mês de fevereiro desde 2015. Como resultado, o IPCA acumulado nos últimos 12 meses está em 10,54%.

Esse é um patamar alto, mesmo assim o IPCA acumulado está acima de 10% desde setembro de 2021.

No entanto, esse não deveria ser o cenário, já que o Brasil tem uma meta de inflação.

Meta da inflação

Conforme dissemos, a inflação alta reduz o poder de compra das pessoas. Então, só medir o aumento dos preços não tem serventia alguma se nada for feito para controlar a inflação.

Por isso, desde 1999, o Conselho Monetário Nacional (CMN) define as metas de inflação com teto e limite mínimo. Embora o CMN determine a meta, é o Banco Central quem tem a responsabilidade de executar e cumprir a meta.

Para que possa fazer isso, o Banco Central utiliza a Selic, taxa básica de juros da economia brasileira. Dessa forma, quando o IPCA sobe, o Bacen aumenta a taxa Selic para conter a alta de preços.

A saber, a meta da inflação para 2022 é de 3,5% ao ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. Ou seja, o teto da meta é de 5% ao ano.

Assim, percebemos que o IPCA acumulado está mais do que o dobro acima do teto da meta da inflação. Então, o Banco Central precisará aumentar muito a Selic para conter a alta de preços.

De acordo com o Boletim Focus, a Selic deve chegar a 12,25% no fim deste ano. Esse relatório é feito com base nas projeções de 140 instituições financeiras.

A área do Banco Central responsável por definir a taxa Selic é o Copom (Comitê de Política Monetária). Esse grupo se reúne a cada 45 dias, e avalia diversos fatores internos e externos para determinar a taxa de juros.

Calculadora IPCA

Agora que você já entendeu a parte teórica, está na hora de conhecer a calculadora de IPCA. Assim, você pode tanto atualizar um valor com base no índice oficial quanto calcular a perda no poder de compra.

No site do IBGE, está a calculadora do IPCA. Para que você possa atualizar um valor, basta informar a data (mês e ano) inicial e final, depois a quantia. Em seguida, clique no botão com duas setas e confira na tela o valor atualizado e o percentual do reajuste.

Calculadora do Cidadão Banco Central

Outra opção para quem quer calcular o IPCA é a Calculadora do Cidadão, do Banco Central. Ela possui 4 funcionalidades principais:

  • Aplicação com depósitos regulares.
  • Financiamento com prestações fixas.
  • Valor futuro de capital.
  • Correção de valores.

Nesta última funcionalidade, é possível fazer correção de valores de índices de preços, TR, poupança, Selic e CDI. Dentro dos índices de preços, está o IPCA com dados a partir de janeiro de 1980.

Assim como a calculadora de IPCA do IBGE, neste caso basta informar a data (mês e ano) inicial e final, e o valor a ser corrigido. Em seguida, clique em “corrigir valor”.

IPCA nos investimentos

Além de ser um indicador da variação de preços e impactar a política monetária, o IPCA também influencia os investimentos. Em outras palavras, ele é usado como indexador de vários investimentos de renda fixa, como:

  • Tesouro Direto;
  • CDBs;
  • LCIs/LCAs; e
  • Debêntures.

Tesouro Direto IPCA+

Entre os títulos oferecidos no programa do Tesouro Nacional, existem dois que são indexados pelo IPCA:

  • Tesouro Direto IPCA+
  • Tesouro Direto IPCA+ com juros semestrais

Enquanto o primeiro é mais indicado para quem só vai precisar do dinheiro no vencimento do título, o outro tem pagamentos semestrais. Ou seja, você tem um fluxo de pagamentos ao longo do investimento.

Mas os dois garantem rentabilidade sempre acima da inflação e, com isso, protegem o valor investido das variações do IPCA. Dessa forma, são ideais para investimentos de longo prazo.

CDBs, LCIs, LCAs e Debêntures

Esses investimentos de renda fixa são outros exemplos de ativos que podem usar o IPCA como indexador. Assim, o investidor garante um rendimento igual à variação da inflação somado a uma taxa prefixada de juros.

Investimentos atrelados ao IPCA são importantes para proteger o dinheiro da perda do poder de compra.

Perguntas frequentes

Diferença entre IPCA e Selic

Enquanto o IPCA é um índice de preços, a Selic é uma taxa de juros. O primeiro é a inflação oficial, e o segundo é a taxa básica de juros. Conforme comentamos acima, a Selic é uma ferramenta do Banco Central para controlar a inflação. Quando o IPCA está acima da meta, o Bacen aumenta a Selic. Por outro lado, quando o IPCA está baixo, o Banco Central diminui a taxa de juros.

Como é feito o cálculo do IPCA?

Todos os meses, o IBGE faz um levantamento de, aproximadamente, 430 mil preços em 30 mil locais de 13 áreas urbanas. Em seguida, esses preços são comparados com os valores do mês anterior. Como resultado, o IBGE chega a um percentual que reflete a variação geral dos preços ao consumidor.

Conclusão

Em resumo, o índice IPCA retrata o quanto os preços variaram de um mês para o outro. Dessa forma, a inflação oficial é sempre um olhar no retrovisor dos preços ao consumidor.

No entanto, um aumento do indicador significa que o custo de vida da população ficou mais caro. Por isso, a expectativa para o IPCA a longo prazo é que acompanhe a meta definida pelo CMN. E, assim, ajude a economia, sem prejudicar os consumidores.